Termodesinfecção

Com o avanço da tecnologia nas ultimas décadas, a Central de Materiais e Esterilização adaptou seus métodos de limpeza para acompanhar o avanço dos materiais e artigos médico-odonto-hospitalares, que necessitavam de processamento.

Além dos artigos críticos, semi-criticos e não crítico como já se classifica na literatura há muitos anos, nos deparamos hoje com os artigos simples e complexos, os quais necessitam ser desmontados e remontados alem de ter lumens ou componentes elétricos e eletrônicos complexos.

A limpeza é o primeiro e mais importante passo no processamento dos artigos. O processo de desinfecção seja ela química ou térmica, assim como a esterilização, não existem sem a remoção completa de toda a matéria orgânica visível dos artigos. Se não está limpo não pode ser desinfetado ou esterilizado.

Em 1980, o Ministério Federal da Saúde alemão publicou normas para a proteção do pessoal dos setores médico e clínico contra infecções, pois havia sido detectado, na lavagem de instrumentos contaminados, um alto potencial de risco. Essa norma indicava que os instrumentos cirúrgicos e os instrumentos para anestesia deviam ser desinfetados imediatamente após o uso e antes da lavagem. A lavagem deveria seguir a desinfecção.

A limpeza manual sempre foi a forma mais utilizada para a remoção da carga orgânica dos artigos. Porém ela expõe o colaborador a riscos biológicos, alem disso a dificuldade na reprodutibilidade do processo dificultava a padronização das etapas da limpeza.

Com a introdução das lavadoras automáticas, este problema foi solucionado trazendo um grande benefício para os funcionários além de garantir reprodutibilidade do processo como um todo. Este conceito foi revisto e atualmente o processo todo se inicia com a limpeza, seja ela automática ou manual.

Para a remoção da carga orgânica é importante que exista uma fase de exposição à água em temperatura ambiente, pois se a temperatura superar os 45°C antes que o processo de desnaturamento das proteínas do sangue seja executado, uma coagulação das albuminas pode provocar aderência na superfície dos artigos trazendo dificultando a limpeza.

A termodesinfecção foi adicionada ao processo de limpeza para fornecer segurança ao colaborador na manipulação dos artigos a serem preparados para a esterilização. O mesmo Ministério Federal da Saúde alemão, com as normas publicadas, exprime a preferência pelo método térmicos, sendo os parâmetros críticos para o processo facilmente controláveis, com temperatura de 93°C e tempo de 10 minutos, para os artigos resistentes a altas temperaturas.

Embora algumas recomendações européias como a Holandesa e Inglesa estabeleçam parâmetros de desinfecção térmica diferentes dos válidos na Alemanha, todos são validados na literatura internacional como na nacional.

Na Holanda são aceitos parâmetros como 92°C por 2 minutos, enquanto na Inglaterra são de 90°C por 5 minutos.