Óxido de Etileno

Definição do gás óxido de etileno:
O óxido de etileno C2H4O é um gás incolor à temperatura ambiente, é altamente inflamável.
Em sua forma líquida é miscível com água, solventes orgânicos comuns, borracha e plásticos, apresentando uma tendência natural a polimerização.
E quando mantido nos parâmetros ideais de temperatura, umidade, tempo de exposição e de concentração, ele exerce uma ação esporicida, bactericida e fungicida.

Mecanismo de ação
O óxido de etileno reage com a parte sulfídrica da proteína do sítio ativo no núcleo do microrganismo, impedindo assim sua reprodução.

Aplicações:
A utilização do óxido de etileno na esterilização é hoje principalmente empregada em produtos médico-hospitalares que não podem ser expostos ao calor ou a agentes esterilizantes líquidos: instrumentos de uso intravenoso e de uso cardiopulmonar em anestesiologia, aparelhos de monitorização invasiva, instrumentos telescópios (citoscópios, broncoscópios, etc.), materiais elétricos (eletrodos, fios elétricos), máquinas (marcapassos, etc.), motores e bombas, e muitos outros.

Cuidados:
A esterilização por óxido de etileno, como os demais métodos, exige limpeza prévia do material, esta deve ser rigorosa. O acondicionamento dos produtos também é questão importante e deve ser adequado ao tipo de esterilização e ao artigo.

Processo de Esterilização:
É um processo bem mais complexo que o vapor seco saturado sobre pressão e exigem uma série de cuidados. É um gás altamente tóxico inflamável explosível, para diminuir essa inflamabilidade foram acrescentados alguns gases inertes liquefeitos (Freon e Dióxido de Carbono)

Controle de Umidade Relativa:
Esse processo é indispensável um controle de umidade relativa pois a água umidifica a molécula de óxido de etileno e facilita o contato com os átomos de hidrogênio que serão aniquilados.

Umidade Relativa:
A umidade relativa é de suma importância na esterilização por óxido de etileno. Alguns enfoques são dados a esta importância da umidade na esterilização por óxido de etileno, um deles é o fato de que o aumento da umidade relativa aumenta o poder de esterilização do óxido de etileno. Outro enfoque dado a essa importância é que ocorrem reações químicas entre o óxido de etileno e unidades biológicas, essas reações são ligações covalentes e portanto não se dissociam, para isso a ionização deve ocorrer em um solvente polar; assim a água funciona nesta reação como meio de reação ou solvente.
Um outro aspecto da importância da umidade neste tipo de esterilização é o fato de que a água e o agente esterilizante promovem reciprocamente a permeabilidade através de embalagens de filme plástico, dependendo de sua característica polar ou apolar.
O óxido de etileno funciona como transportador através de filmes não polares e hidrófobos; já a água favorece a passagem de óxido de etileno através de filmes polares (celofane e poliamida por exemplo).

Misturas:
Para que possa ser utilizado em processos de esterilização, o óxido de etileno é misturado com gases inertes, que o torna não-inflamável e não-explosivo.

Toxidade:
O óxido de etileno é irritante da pele e mucosas, provoca distúrbios genéticos e neurológicos. É um método, portanto, que apresenta riscos ocupacionais.
Existem alguns relatos de exposições agudas de humanos a altas concentrações de óxido de etileno, onde foram observadas reações como náusea, vômitos e diarréia (CAWSE et al, 1980 apud APECIH).
Há também na literatura estudos que revelam alterações no número e tipo de aberrações cromossômicas em grupos de pessoas expostas a concentrações de 1 a 40 ppm de óxido de etileno, em relação a pessoas não expostas (RICHAMOND et al, 1985 apud APECIH).

Limites de Tolerância ao Óxido de Etileno
No ar, a concentração máxima para a qual pode-se ficar exposto é de 1 ppm ou 1,8 mg/m3 para um dia de 8 horas de trabalho;
A exposição ao gás a uma concentração de 10 ppm e por no máximo 15 minutos.

Vantagens do Processo:
Esteriliza os materiais sem danificá-los;
Uso diversificado;
Tamanho pequeníssimo da molécula de gás comprova o excelente poder de penetração;
Esteriliza artigos embalados em papel grau cirúrgico combinado ou não com filme plástico;
Pode ser usado com misturas de gás liquefeito, impedindo risco de inflamabilidade e explosividade que o produto apresenta.

Desvantagens do Processo:
Tempo muito prolongado;
Muito caro;
Inflamável;
Toxicidade;
É necessário pessoal qualificado;
Necessário supervisão bacteriológica;
Quando entra em contato com alguns polímeros, apresenta formação de bolhas.

Cargas Eletrostáticas:
As cargas eletrostáticas são geradas por atrito entre materiais isolantes e dependem de uma série de fatores, como umidade do ar, eletricidade desenvolvida pro ficção dos materiais envolvidos, caminho elétrico para o escoamento, dentre outros. A maneira mais segura de se certificar que não haverá acúmulo de carga eletrostática no piso é garantir um bom caminho ao seu escoamento para o potencial de terra.
Eliminação: Instalação de pisos condutivos e um ótimo aterramento dos equipamentos.

Pisos Condutivos:
A necessidade de colocação de pisos condutivos nestas salas se deve a uma tentativa de eliminação ou redução de cargas eletrostáticas. Em locais com baixa taxa de umidade, em função do uso de ar condicionado e onde se usa gás óxido de etileno, há o risco que uma explosão seja deflagrada por descargas eletrostáticas, além de outras causas, como a possibilidade de choque elétrico em operadores.