Materiais

Antes de ser submetido ao processo de esterilização, o material deve ser total e corretamente lavado, enxaguado com água, se possível, desmineralizada e seco de tal forma a reduzir, ao máximo, a presença de sujeira, substâncias oleosas e materiais orgânicos, que possam interferir no processo de esterilização.

Os objetos a serem submetidos à esterilização devem ser lavados utilizando-se detergentes com pH neutro.

Para instrumentos das salas operatórias deve ser usado um produto detergente recomendado pelo fabricante e devem ser usados de acordo com as instruções de uso, especialmente, no que diz respeito a diluições, onde para um produto que prevê diluição no momento do uso não deve ser utilizado sem diluir. Se houver necessidade, prepare o produto em um recipiente seguindo as indicações listadas.

As operações de limpeza devem ser executadas separadamente das operações de embalagem para não causar alterações aos materiais embalados; na prática o material a ser esterilizado deve ser embalado em uma sala separada da área de lavagem.

O pessoal para tal operação deve estar protegido durante todas as operações de limpeza para evitar ferimentos, seja em contato com materiais orgânicos seja em contato com detergentes, além de prestar especial atenção no tocante a instrumentos pontiagudos e cortantes.

As precauções a serem mantidas são para: remover a sujeira mais grossa do objeto, imergir o instrumento aberto ou desmontado em um recipiente que contenha um produto de tratamento ou detergente, previamente preparado obedecendo ao tempo fixado pelos fabricantes; friccionar o objeto com buchas, escovas ou algodões adequados nas partes internas e externas.

Não use escovas metálicas ou produtos abrasivos; enxaguar com água corrente, se possível, desmineralizada, secar e checar a eficiência dos instrumentos; e, se for o caso, de lubrificá-los, utilizando produtos com pH neutro. Depois da lubrificação os instrumentos cirúrgicos devem ser pulverizados com jatos de ar comprimido para remover o excesso de lubrificante.

Se for necessária a utilização de alguma máquina para a limpeza, esta deve ser feita de forma que os instrumentos permaneçam parados, seguros com um dispositivo de fixação, eliminando a possibilidade de impactos ou danificações.

O uso de produtos ácidos de limpeza poderá provocar corrosão devido à presença de cloro. No caso de instrumentos cirúrgicos muito sujos, com incrustação de sangue coagulado, restos de secreção ou outros materiais, poderão ser necessários uma limpeza manual ou ultra-sônica.

Espelho de mão coberto com vapor ródio pode ser tratado no equipamento. Endoscópios rígidos devem ser desmontados de acordo com as instruções do fabricante para permitir a esterilização no equipamento.

A embalagem dos objetos e materiais para esterilizar tem o propósito de preservar a esterilidade do material tratado até o momento do uso; deve permitir que o agente esterilizante penetre e percorra por todo o instrumento até a sua superfície; deve reduzir o risco de contaminação do conteúdo no momento da abertura; e deve ser prático e confortável.

Os objetos a serem esterilizados podem ser fabricados de maneira simples ou montados, neste último caso o correto é seguir a orientação da embalagem pela necessidade de uso (conjunto de medicamento, intervenção) e não pela embalagem de qualidade que oferece garantias higiênicas.

A embalagem deve ser de pequena dimensão e uma vez aberta, eles devem ser usados completamente ou esterilizados novamente.

Antes de proceder com a embalagem, checar o material a ser limpo. Aquele que está inteiro e aquele que está seco retirem as peças montadas removendo juntas e tampas para proteger as pontas das agulhas coloquem plásticas e borrachas de tal forma a preservar a forma original do instrumento, embrulhar os canais ou os materiais muito longos de forma a não permitir que sejam criados estreitamentos, ou seja, formadas “orelhas” nos tubos.

É necessário checar o estado dos filtros, a todo o momento, para repará-los periodicamente, seguindo as indicações do fornecedor, ou quando eles estiverem visivelmente alterados, no entanto siga as indicações de garantia do fabricante.

Os materiais contidos nos container não devem ser comprimidos, as peças de lavanderia devem ser posicionadas verticalmente.

A embalagem em papel grau cirúrgico para esterilização a vapor é adequado para as peças de lavanderia e para os instrumentos cirúrgicos, porém não é adequado para de bandejas de medicamentos, materiais de pequeno porte ou materiais heterogêneos entre si que dependam de suporte.

A técnica de embalamento deve permitir a abertura do pacote sem agredir a esterilidade dos objetos nele contida, por isso é necessário embalar os pacotes em dupla camada retangular usando um método que permita garantir a proteção efetiva de uma fácil abertura e uma extração anti-séptica do material esterilizado.

A embalagem em envelopes combinados de papel grau cirúrgico com polipropileno/poliéster é adequada para esterilização a vapor e para materiais simples ou de dimensões médias e pequenas, para conjuntos de instrumentos cirúrgicos, e para as peças de lavanderia e bandejas de medicamentos.